fbpx

Embasamento Científico

A American Migraine Foundation (Fundação Americana de Cefaleia) recomenda em seu site, o biofeedback como um dos tratamentos de escolha para o controle destas dores.

O tratamento utilizando o Dispositivo de biofeedback já foi apresentado pelo Dr. Alain Haggiag em diversos congressos nacionais e internacionais sempre chamando atenção dos especialistas na área e ate sendo premiado como melhor pesquisa no congresso Europeu de dor orofacial que foi realizando em Amsterdã.

O que diz a Comunidade Científica

Prof. Dr. Jose G. Speciali

Professor Sênior de Neurologia Faculdade de Medicina – USP Ribeirão Preto Consultor Científico da LIVA

“Confirmo minha crença de que o bruxismo diurno (ou também o do sono) pode ser um dos fatores determinantes, de uma porcentagem não desprezível das cefaleias do tipo tensional.”

Juliana H Vajda-Kraiser
Loly Foronda Contrera

Especialistas em Neurociência Aplicada às Organizações – Intua Conselheiras em Neurociência da LIVA

“Os hábitos servem para sermos capazes de executarmos ações rotineiras com eficiência, rapidez, pouco ou nenhum esforço cognitivo e acontecem de forma inconsciente. Porém, é importante desenvolvermos a capacidade de quebrá-los através de ações direcionadas e conscientes, já que nem todos os hábitos são benéficos e promovem qualidade de vida.”

Dra. Thais Villa

Neurologista, chefe do ambulatório de cefaleia da UNIFESP e Diretora Clinica do Headache Center Brasil

“O bruxismo de vigília é um sintoma importante em pacientes com enxaqueca, podendo ser um fator de manutenção de dores crônicas. A avaliação multidisciplinar desse paciente, envolvendo o cirurgião-dentista, e o melhor controle do bruxismo de vigília com o DIVA pode ser uma peça importante no tratamento integrado e não medicamentoso da enxaqueca.”

Dra. Ana Paula Falk

Fisioterapeuta pelo IPA Porto Alegre 2006, Fisioterapia Cranio Facial Therapy Academy de Harry von Piekartz (CRAFTA) e Cranioconcept Suíça

“Junto a terapia manual e outras técnicas da Fisioterapia vejo com máxima importância o controle do bruxismo em vigília na busca do sucesso do manejo com meu paciente.”

Depoimentos de especialistas certificados

"Uma opção de tratamento que merece respeito"

Dra. Marta Rampani
Sócia e fundadora Sociedade Brasileira de Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial

"Recomendo LIVA aos pacientes como melhor método para controle das dores de cabeça tensionais."

Dr. Otávio Dutra
Membro titular e Conselheiro da Academia Brasileira de Fisiopatologia Cranio-Oro-Cervical

"LIVA ajuda na auto-percepção, em tempo real, do hábito de encostar os dentes durante o dia, prevenindo e/ou reduzindo as dores nos músculos da face, dores de cabeça tensionais, do pescoço, zumbido e outros sintomas que trazem limitação e desconforto nas atividades do dia a dia. Os pacientes estão felizes com os resultados."

Dra. Lilian Giannasi
PHD e coordenadora de cursos de distúrbios do sono

"O tratamento LIVA é a melhor alternativa para controle do bruxismo em vigília!"

Dra Gislana Machado
Vice Presidente da Associação Paranaense de Ortodontia e especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial

Dra. Maria de Lourdes
Presidente da câmara de especialistas do conselho regional de odontologia

Dra. Vanessa Nunes
Especialista em DTM e dor orofacial, pós graduada em dor pelo hospital Albert Einstein.

Onde já apresentamos o tratamento LIVA

  • Setembro 2019Premiado como pesquisa mais importante no congresso EAOPD 2019, Amsterdã, Holanda
  • Setembro 2019: Apresentado no EFIC Congresso Europeu de Dor, Valencia, Espanha
  • Setembro 2019: Apresentado no International Headache Congress (maior congresso  do mundo em cefaleia)
  • Setembro 2018: Apresentado no 17th World Congress on Pain®  da IASP (International Association of Study of Pain ), Boston, USA, (maior congresso de dor do mundo) apresentando o estudo sobre o “uso do DIVA em pacientes portadores de Cefaleia”
  • Março 2018: Apresentado no 35th International Meeting em Bordeaux- França, apresentando o estudo sobre o “uso do DIVA em pacientes portadores de Cefaleia”
  • Outubro 2017: Apresentado no Congresso Brasileiro de Cefaleia, tema: Bruxismo de Vigília e suas consequências clínicas.
  • 2017: Congresso da SBDOF

Comprovação Científica do Tratamento

Recentemente foi disponibilizado no Pubmed, a maior biblioteca médica online do mundo, o estudo feito pelo Dr Alain Haggiag e o Prof. Siqueira (chefe de Departamento de Dor Orofacial do HC- FMUSP) sobre o uso DIVA em pacientes portadores de Cefaleias:

A new biofeedback approach for the control of masseter and temporal myalgia: Utilization of an awake posterior interocclusal device.

 

A new biofeedback approach for the control of awake bruxism and chronic migraine headache: utilization of an awake posterior interocclusal device.

→ Clique aqui e veja o artigo publicado na revista Arquivos de Neuropsiquiatria

 

O sucesso do tratamento com o DIVA® se deve a uma associação de técnicas terapêuticas consagradas e eficientes na abordagem de pacientes portadores de dores crônicas na região da cabeça, como as cefaleias, enxaquecas, disfunção das ATM entre outras.

Os conselhos comportamentais, o uso de dispositivos intra orais (como é o caso do DIVA®) associados aos conceitos do biofeedback constituem, segundo pesquisas mais recentes, a maneira mais eficiente de reverter e controlar certos hábitos nocivos, como o Bruxismo de vigília. Este último está sendo apontado como um dos grandes responsável pelo desencadeamento e manutenção de muitas dores orofaciais que geram tanto sofrimento.

O Dr Alain gosta sempre de lembrar aos seus pacientes os pilares principais que fundamentam esta abordagem terapêutica, são as “3 regras de 3”:

O que é o tratamento:

– Conselhos comportamentais
– Dispositivos intra orais
– Biofeedback

Como é o tratamento:

– Não invasivo
– Não medicamentoso
– Reversível

Os objetivos do tratamento:

– Conscientização dos maus hábitos
– Reeducação do paciente
– Melhora da qualidade de vida

Para saber mais sobre a historia do desenvolvimento do DIVA®, recomendamos a leitura da entrevista dada pelo Dr Alain á Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica: → Saiba mais clicando aqui

Abaixo, citamos alguns estudos científicos relevantes que embasam a abordagem terapêutica com DIVA®:

1. Winocur E, Uziel N, Lisha T, Goldsmith C, Eli I. Self-reported bruxism – associations with perceived stress, motivation for control, dental anxiety and gagging. J. Oral Rehabil. 2011 Jan;38(1):3-11.
2. Sato F, Kino K, Sugisaki M, Haketa T, Amemori Y. Teeth contacting habit as a contributing factor to chronic pain in patients with temporomandibular disorders. J Med Dent Sci. 2006, Jun;53(2):103-9.
3. Glaros AG, Williams K. Tooth contact versus clenching: oral parafunctions and facial pain.; J Orofac Pain. 2012 Summer;26(3):176-80.
4. Farella M, Soneda K, Vilmann A, Thomsen CE, Bakke M. Jaw muscle soreness after tooth-clenching depends on force level. J Dent Res. 2010 Jul;89(7):717-21.
5. Svensson P, Burgaard A, Shclosser S. Fatigue and Pain in human jaw muscles during a sustained, low intensity clenching task. Arch. Biol. Oral 2001 Aug;46(8) :773-7
6. Glaros AG, Williams K, Lausten L, Friesen LR. Tooth contact in patient with temporomandibular disorders. Cranio 2005; 23: 188-193
7. Chen CY, Palla S, Erni S, Sieber M, Gallo LM. Nonfunctional tooth contact in healthy controls and patients with myogenous facial pain. J. Orofacial Pain, 2007, Summer;21(3):185-93.
8. Eversole LR, Machado L. Temporomandibular joint internal derangements and associated neuromuscular disorders.; J Am Dent Assoc. 1985 Jan;110(1):69-79.
9. McCreary CP, Clark GT, Merril RL, Flack V, Oakley ME. Psychological distress and diagnostic subgroups of temporomandibular disorder patients. Pain. 1991 Jan;44(1):29-34.
10. Glaros AG. Temporomandibular disorders and facial pain: a psychophysiological perspective. Appl. Psychophysiol Biofeedback. 2008 Sep;33(3):161-71.
11. Siqueira T. e Teixeira J.; Dores Orofaciais – Diagnóstico e tratamento. Artes medicas, 2012
12. Manfredini D, Winocur E,Guarda-Nardini L, PaesaniD, Lobbezoo F. Epidemiology of bruxism in adults: a systematic review of the literature. J Orofac Pain. 2013 Spring; 27(2):99-110
13. Glaros AG, Urban D, Locke J. Headache and temporomandibular disorders: evidence for diagnostic and behavioural overlap. Cephalalgia. 2007 Jun;27(6):542-9.
14. Glaros AG, Williams K, Lausten L, Friesen LR. Tooth contact in patient with temporomandibular disorders. Cranio 2005; 23: 188-193
15. Haggerty C, Glaros AG, Glass EG. Ecological momentary assessment of parafunctional clenching in TMD. J. Dental Res. 2000; 79-605
16. Dawson A. Experimental tooth clenching. A model for studying mechanisms of muscle pain. Swed Dent J Suppl. 2013;(228):9-94.
17. Farella M, Soneda K, Vilmann A, Thomsen CE, Bakke M. Jaw muscle soreness after tooth-clenching depends on force level. J Dent Res. 2010 Jul;89(7):717-21.
18. Dao TT, Lavigne GJ. Oral splints: the crutches for temporomandibular disorders and bruxism? Crit. Rev. Oral Biol. Med. 1998;9(3):345-61.
19. Camparis CM, Siqueira JT. Sleep bruxism: clinical aspects and characteristics in patients with and without chronic orofacial pain. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol. Oral Radiol. Endod. 2006 Feb;101(2):188-93.
20. Slade GD, Ohrbach R, Greenspan JD, Fillingim RB, Bair E, Sanders AE, et al. Painful Temporomandibular disorder: Decade of Discovery from OPPERA Studies. J Dent Res. 2016 Sep;95(10):1084-92.
21. Eric Bair, Sheila Gaynord, Gary D. Slade, Richard Ohrbachg, Roger B. Fillingimh, Joel D. Greenspan, et al. Identification of clusters of individuals relevant to temporomandibular disorders and other chronic pain conditions: the OPPERA study. Pain 2016, 157>1266–1278.
22. Camparis CM, Formigoni G, Teixeira MJ, Bittencourt LR, Tufik S, de Siqueira JT. Sleep bruxism and temporomandibular disorder: Clinical and polysomnographic evaluation.; Arch Oral Biol. 2006 Sep;51(9):721-8.
23. Siqueira JT, Camparis CM, de Siqueira SR, Teixeira MJ, Bittencourt L, Tufik S. Effects of localized versus widespread TMD pain on sleep parameters in patients with bruxism: A single-night polysomnographic study. Arch Oral Biol. 2017 Apr;76:36-41.
24. de Leeuw, Reny and Klasser, Gary D. Orofacial Pain: Guidelines for Assessment, Diagnosis, and Management, Fifth Edition, 2013
25. International Classification of Sleep Disorders: Diagnostic and Coding Manual. 2. Westchester: American Academy of Sleep Medicine; 2005
26. Ilovar S, Zolger D, Castrillon E, Car J, Huckvale. Biofeedback for treatment of awake and sleep bruxism in adults: systematic review protocol. Syst Rev. 2014 May 2;3:42.
27. De Boever JA, Nilner M, Orthlieb JD, Steenks MH; Educational Committee of the European Academy of Craniomandibular Disorders . Recommendations by the EACD for examination, diagnosis, and management of patients with temporomandibular disorders and orofacial pain by the general dental practitioner. J Orofac Pain. 2008 Summer;22(3):268-78.
28. Fujisawa , Kanemura K, Tanabe N, Gohdo Y, Watanabe A, Iizuka T, Sato M, Ishibashi K. Determination of daytime clenching events in subjects with and without self-reported clenching. J Oral Rehabil. 2013 Oct;40(10):731-6.
29. Lobbezoo F, Ahlberg J, Glaros AG, Kato T, Koyano K, Lavigne GJ, de Leeuw R, Manfredini D, Svensson P, Winocur E. Bruxism defined and graded: an international consensus. J Oral Rehabil. 2013 Jan;40(1):2-4.
30. Richard Ohrbach and Justin Durham. Biopsychosocial Aspects of Orofacial Pain. Contemporary Oral Medicine, C.S. Farah et al. (eds.), 2017,
31. Eric Schiffman, Richard Ohrbach, Thomas List, Gary Anderson, Rigmor Jensen, Mike T John, Donald Nixdorf, Jean-Paul Goulet, Wenjun Kang, Ed Truelove, Al Clavel, James Fricton, and John Look. Diagnostic criteria for headache attributed to temporomandibular disorders. Cephalalgia. 2012 July ; 32(9): 683–692
32. Glaros AG1, Kim-Weroha N, Lausten L, Franklin KL.Comparison of habit reversal and a behaviorally-modified dental treatment for temporomandibular disorders: a pilot investigation. Appl Psychophysiol Biofeedback. 2007 Dec;32(3-4):149-54.
33. What is Biofeedback Therapy and Who Can Benefit? Last updated Tue 10 January 2017 -By Joseph Nordqvist, Reviewed by Timothy J. Legg, PhD, CRNP
34. AMERICAN MIGRAINE FOUNDATION recomenda o tratamento de Biofeedback para dores de cabeça clique aqui e veja
Precisa de ajuda? Converse Conosco